Rua Floriano Peixoto, 300
Centro - Blumenau - SC
47. 3321-1000
Busca no site

Portal de novidades
Santa Isabel

20 de outubro de 2015

Entenda o rótulo dos alimentos

Em maio de 2013 foi realizada uma pesquisa pela associaçãoConsumers International, que mostrou que apenas 28% dos brasileiros entendem da tabela nutricional tradicional, aquela presente no rótulo dos alimentos. Isso piora quando analisamos a legibilidade dos rótulos de alguns produtos à venda, você não acha?

Em alguns produtos estas informações são muito escondidas e pequenas. O Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) divulgou em agosto de 2013, que além de informações importantes sobre o produto, faltam clareza e contrastes entre cores do texto e da embalagem, fontes maiores e até mais nitidez e durabilidade da impressão.

O Idec identificou ainda que 80% dos brasileiros olham o rótulo, o que é muito bom, porém somente metade destes realmente entende as informações.

Como vai seu nível de conhecimento dos rótulos?

Entenda um pouco sobre os itens descritos nos rótulos dos alimentos:

INGREDIENTES: estão sempre em ordem decrescente, ou seja, os primeiros são os que estão em maior quantidade naquele produto. Por isso fique atento: você vai comprar integral? Certifique-se de que o primeiro ingrediente seja realmente o integral. Não que isso irá desclassificar o produto como integral, mas podem ter outras marcas com ingredientes saudáveis em maiores proporções.

PORÇÃO: quantidade do alimento que pode ser consumido para promover uma alimentação mais balanceada. Atenção: todos os valores contidos na tabela nutricional referem-se àquela porção, e não ao pacote inteiro.

VALOR ENERGÉTICO (kcal): é a energia produzida pelo nosso corpo proveniente de carboidratos, proteínas e lipídeos (gorduras).

CARBOIDRATOS: sua função principal é fornecer energia. São encontrados em maior quantidade em massas, pães, arroz, açúcar, mel, tubérculos e farinhas.

PROTEÍNAS: são necessárias para a construção e manutenção do corpo. Encontradas em carnes, ovos, leguminosas (feijões, soja, ervilha), leites e derivados.

GORDURAS TOTAIS: fornecem energia e ajudam na absorção das vitaminas A, D, E e K. São a soma de todas as gorduras encontradas em um alimento.

GORDURAS SATURADAS: presentes em alimentos de origem animal. Cuidado: em grande quantidade podem aumentar o risco de doenças cardíacas.

GORDURAS TRANS: encontradas em produtos industrializados. Seu consumo deve ser o mínimo possível, pois nosso corpo não necessita deste tipo de gordura.

FIBRAS: recomenda-se consumo de 25 gramas por dia. Está mais presente em frutas, hortaliças e produtos integrais.

SÓDIO: recomenda-se o consumo de 2 a 4 gramas por dia. Encontrado no sal de cozinha e em produtos industrializados.

OUTROS NUTRIENTES: é optativo declarar os demais nutrientes quando estiver em valores igual ou superior a 5% da ingestão diária recomendada.

% VD (percentual de valores diários): indica o quanto o produto tem de energia e nutrientes em relação a uma dieta calculada em 2.000 kcal. Por exemplo: se encontrar uma sopa desidratada com 90% do VD de sódio significa que só esse produto já fornece 90% da quantidade recomendada de sódio para um dia.

Fala-se tanto sobre os riscos de consumo de açúcar e sal,será que eles estão nos rótulos?

Estão sim, porém “disfarçados”. Alguns fabricantes dividem o item carboidrato em: açúcares e amido. Neste caso dê preferência ao produto que tiver menos quantidade de açúcares. Mas, como este dado não é obrigatório, poucos fornecem esta informação. Nestes casos, analise os ingredientes.

Já o sal é representado pela quantidade de sódio. Alguns alimentos já possuem sódio naturalmente, mas os produtos que são adicionados sal podem ser percebidos neste item também, bastando dividir a quantidade de sódio por 2,5 = você terá a quantidade de sal na porção.

Perceba os alimentos que você ingere. Muito cuidado com os produtos vendidos como “saudáveis”. Analise o rótulo e perceba que, às vezes, eles não são tão saudáveis devido aos aditivos que contêm.

Autor da postagem: Nutricionista Carolina Andriolli
Fonte: Consumers International. Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec).


Compartilhe nas redes sociais

Confira outras novidades do portal